Inscrições abertas para o Prêmio Educar para a Igualdade Racial e de Gênero

O Prêmio “Educar para a Igualdade Racial e de Gênero: experiências de promoção da igualdade em ambiente escolar” promovido pelo CEERT está com inscrições abertas até o dia 31 de março.

Este prêmio tem como objetivo identificar, apoiar e difundir boas práticas pedagógicas e de gestão escolar comprometidas com o reconhecimento, valorização e promoção da diversidade étnico-racial e de gênero e está dividido em duas categorias: Categoria Professor, destinada a práticas pedagógicas realizadas por professores/as e Categoria Escola, destinada a escolas que realizem boas ações de gestão escolar que contribuam para a implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica.

Esta 7ª edição, apresenta algumas novidades, como a incorporação de gênero ao nome do prêmio, agora “Educar para Igualdade Racial e de Gênero: experiências de promoção da igualdade em ambiente escolar”.

Consequentemente esta alteração abre caminho para inscrição de práticas pedagógicas que abordem a temática de gênero com foco na valorização da mulher, em especial as africanas, afro-brasileiras, quilombolas e indígenas, como subcategoria da categoria professor.

Outra novidade é a criação de dois processos de inscrição no mesmo prêmio. Um Universal e outro Afirmativo. O primeiro visa assegurar a continuidade histórica desta iniciativa que desde 2002 reconhece, valoriza e difunde práticas pedagógicas, e, mais recentemente, práticas de gestão. Todas comprometidas com a promoção da igualdade em ambiente escolar e com uma educação de qualidade para todas e todos. O segundo busca conhecer um pouco mais sobre o fazer pedagógico e de gestão realizados por professores/as e gestores/as atuantes na modalidade Educação Escolar Quilombola. E concomitantemente fortalecer e difundir junto as escolas e seus profissionais as orientações contidas nas Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Escolar Quilombola que visam assegurar uma educação de e com qualidade para a população quilombola de todo país.

Fonte: CEERT


Escreva um comentário e participe!

comentários