O Valor que a Capoeira Tem: Vivências e Fundamentos de um Mestre de Capoeira II

Mestre Paulão Kikongo
De Mestre Paulão Kikongo janeiro 3, 2020 21:15

O Valor que a Capoeira Tem: Vivências e Fundamentos de um Mestre de Capoeira II

PREFÁCIO

Mestre Luiz Renato

Via Guest Post

A capoeira, apenas a capoeira, é capaz de nos proporcionar emoções desta natureza: vejo-me na incumbência de elaborar o prefácio do livro de um dos Mestres que mais admiro em toda a minha experiência de quarenta anos na nossa arte-luta.

Como pesquisador dos caminhos históricos da capoeira, sempre tive especial interesse na trajetória da luta em São Paulo. Talvez porque para todos nós, brasileiros, São Paulo representa o que há de mais cosmopolita em nosso país. Analisar a consolidação da capoeiragem na urbis paulistana, nos permite, sobretudo, entender as múltiplas adaptações de uma manifestação popular à lógica das grandes cidades, com a compartimentalização do tempo, dos espaços e todos os arranjos naquilo que nós, sociólogos, chamamos de padrões societários.

É surpreendente como a geração de mestres instalada em São Paulo, que ganhou expressão nacional e internacional a partir do início da década de 1960, enfrentou o desafio de preservar as tradições da capoeiragem e de valorizar toda a sua ancestralidade, recriando linguagens e ressignificando espaços públicos e privados. Dessa forma, foram se consagrando as novas tradições da luta brasileira, colocando em destaque a diversidade das suas expressões.

Entre os valorosos mestres que operaram essa complexa dinâmica cultural está Antônio Cardoso de Andrade, o Mestre Brasília. Desde 1980, quando, aos dezesseis anos de idade, tive a oportunidade de conhecê-lo e de ouvi-lo cantar suas ladainhas, tenho por ele uma enorme admiração. Por isso, a oportunidade de contribuir, com um modesto prefácio, com seu livro significa, para mim, um momento de grande emoção e cheio de significados para minha trajetória pessoal.

O livro O Valor que a Capoeira Tem: Vivências e Fundamentos de um Mestre de Capoeira II integra-se à tendência contemporânea do registro das memórias dos mestres de capoeira e muitos outros agentes da nossa cultura popular. Dando continuidade ao primeiro volume, mais dirigido a um público de iniciantes, este O Valor que a Capoeira Tem é escrito à moda da cultura popular: uma narrativa não linear, que mescla o ensino de golpes com diversos ensinamentos fundamentais tanto para o jogo quanto para a vida.

Assim ocorre quando Mestre Brasília nos ensina sobre o olhar:

O Capoeirista tem que olhar perifericamente, pois a Capoeira é cheia de detalhes. O Capoeirista usa o seu corpo e sua mente para pensar, criar ideias, mandar impulsos para o cérebro que inteligentemente envia ao corpo todo.

Em um mundo em que as experiências sensoriais são marcadas pelo instantâneo, pelo contato efêmero e superficial do indivíduo com o mundo à sua volta, esse discípulo do Mestre Canjiquinha vem nos alertar sobre a necessidade de resgatarmos a dimensão do olhar, do sentir, do perceber o outro como ser-no-mundo, que só a visão periférica consegue captar. Como se nos ensinasse que tudo na vida precisa ser visto e sentido em seu contexto, em seu ambiente.

As observações sobre a importância da atenção do capoeirista ao jogo e a respeito da necessidade de ter consciência de seus movimentos, pois jogar rápido demais é “como conversar sem dar sentido ao que se quer dizer” são alguns dos temas sobre os quais o livro nos leva a refletir.

Pioneiro na capoeira de São Paulo, Mestre Brasília, em seus quase 60 anos de prática da nossa arte-luta, viu surgirem todos os tipos de inovações, recriações, resgates de tradições. Movimentos da história contemporânea da capoeira que, em sua leitura minuciosa e crítica, se sedimentaram em suas experiências e se converteram em conhecimento e sabedoria.

Que esse livro contribua para que todos os capoeiristas e demais admiradores da nossa cultura descubram, cada vez mais, o valor que a capoeira tem.

Obrigado, Mestre Brasília, pelas lições, e parabéns por mais esta realização!

Luiz Renato Vieira

Mestre de Capoeira – Doutor em Sociologia da Cultura

Professor da Universidade de Brasília

Imagem: Divulgação

Mestre Paulão Kikongo
De Mestre Paulão Kikongo janeiro 3, 2020 21:15
Escreva um comentário

Sem comentários

Ainda sem comentários!

Deixe-me contar uma história triste! Ainda não há comentários, mas você pode ser o primeiro a comentar este artigo.

Escreva um comentário
Ver comentários

Escreva um comentário

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*